O preço de pegar a contramão da história

É inegável que esta é uma pátria construída sobre os pilares da desigualdade

O Brasil não é um país de iguais. Aqui tem pacto da branquitude, privilégio branco, colorismo, racismo, machismo e meritocracia aplicada de maneira assimétrica. Tudo junto e misturado.

As evidências estão no cotidiano, nas pequenas atitudes do dia a dia, em decisões tomadas não só por um contingente significativo de cidadãos, mas também pelo Estado (o que é ainda mais grave), que deveria a todos representar, proteger e servir.

Apesar dos incontáveis esforços para reescrever o passado, é inegável que esta é uma pátria construída sobre os pilares da desigualdade. Forjada à base de exploração dos povos originários e de milhões de homens e mulheres escravizados e traficados do continente africano por colonizadores.

Nós, os descendentes dessa gente toda, temos na diversidade de etnias, tradições e culturas uma de nossas características marcantes. Contudo, formamos uma nação majoritariamente negra —56% da população é autodeclarada preta ou parda, segundo o IBGE.

É o tipo de coisa que um gestor deve manter em mente, se não pelas razões certas, ao menos pelo fato de que essa maioria já se mostrou capaz de decidir os rumos da nação —sobretudo diante da promessa de um governo inclusivo.

Vem daí a frustração com a nomeação de mais um homem para compor o Supremo Tribunal Federal (independentemente dos saberes do indicado), a despeito da toda a mobilização de movimentos sociais negros e entidades da sociedade civil pela indicação de uma mulher negra para a vaga.

Uma ilustre figura da República disse recentemente que “não é com campanha pública que se faz um ministro do STF”. Estava certa. Tanto que o presidente optou por diminuir a já risível participação feminina na composição da corte. Restou uma mulher. Na minha terra natal, um comercial de supermercado lembrava que “a vida é feita de escolhas”. Algumas custam caro… A conferir o preço de pegar a contramão da história.

+ sobre o tema

Leci Brandão sai em defesa da Vai-Vai: ‘Nenhuma instituição está acima da crítica’

'A crítica social é necessária na medida em que...

Nota de esclarecimento GRCSES VAI-VAI

Em 2024, a escola de samba Vai-Vai levou para...

Moção de solidariedade da UNEGRO ao Vai Vai 

A União de Negras e Negros Pela Igualdade (UNEGRO),...

para lembrar

Tom Morello volta ao Brasil e pede justiça para Marielle

Quem acompanha a trajetória do guitarrista Tom Morello, sabe...

Filha mais velha de Obama, Malia atrai legião de fãs com seu estilo

Filha do dono da caneta mais poderosa do mundo,...

Gaby Amarantos fala sobre racismo: ‘Aperta o coração’

Única mulher negra no sofá do "Saia justa", do...

Ela atuou em uma série da Globo: “Meus 15 minutos de fama quase me destruíram”

A fama é uma amante cruel. Num momento, Jaqueline...
spot_imgspot_img

Na mira do ódio

A explosão dos casos de racismo religioso é mais um exemplo do quanto nossos mecanismos legais carecem de efetividade e de como é difícil nutrir valores...

Fui demitida depois dos 40. E agora?

Dia desses, enquanto navegava pelos comentários de uma publicação no LinkedIn, deparei-me com o relato em que uma mulher mencionava ter ouvido de seu...

Parece, mas não é

Carnaval é uma época do ano em que o Brasil parece ter orgulho de suas raízes africanas —apesar de a festividade ter origem europeia. Quem...
-+=