Plataforma colaborativa reúne ações de solidariedade a imigrantes e refugiados durante a pandemia

O Fórum Internacional Fontié ki Kwaze – Fronteiras Cruzadas da Universidade de São Paulo (USP), em parceria com a Cátedra Sérgio Vieira de Mello na Universidade Estadual de Campinas (CSVM-Unicamp), lançaram em 16 de abril a plataforma colaborativa Covid-19 e Solidariedade Migrante, na qual reúnem várias ações de solidariedade a migrantes e refugiados durante a pandemia no Brasil. O objetivo é ampliar a visibilidade e conexões entre as redes engajadas em ajudar essas comunidades.

O conteúdo é construído de forma colaborativa, por meio de um documento compartilhado que qualquer pessoa pode acessar e inserir campanhas e serviços voltados a imigrantes e refugiados promovidos por ONGs, sindicatos, igrejas, organizações, universidades, bem como movimentos sociais e coletivos. Essas ações podem ser, por exemplo, doações, medidas emergenciais, serviços públicos, materiais informativos e de comunicação, textos analíticos, leis, entre outros, e pode incluir também ações a nível internacional.

Até o início de maio, a plataforma já reunia mais de 40 iniciativas de solidariedade como tradução de material informativo para cinco línguas; propostas e medidas emergenciais da ONU e atendimentos de assessoria jurídica, serviço social e apoio psicológico online pelo WhatsApp. Além disso, o mapeamento conta com ações de organizações autônomas dos próprios migrantes como a África do Coração, a União Social dos Imigrantes Haitianos e Centro da Mulher Imigrante e Refugiada (CEMIR).

As organizações coordenadoras da proposta enxergam a necessidade de fortalecer o trabalho em rede nesse momento com a população migrante, uma vez que parcela significativa está indocumentada ou com alguma dificuldade na regularização migratória, o que tem impossibilitado o acesso aos benefícios sociais como a renda básica emergencial. Além disso, as dificuldades com o português, o desconhecimento das leis no Brasil, o racismo e a xenofobia são desafios que se agravam em meio à pandemia e fazem com que migrantes e refugiados sejam duplamente vulneráveis.

Embora o mapeamento da plataforma revele uma grande diversidade de ações, concentradas principalmente em São Paulo, Karina Quintanilha, doutoranda em Sociologia pela Unicamp e curadora do Fórum Fontié ki Kwaze – Fronteiras Cruzadas, analisa que as doações ainda são insuficientes. “Há muitas famílias imigrantes já passando fome e com muitas dificuldades estruturais para se prevenir do coronavírus, em especial nos bairros mais periféricos e nas ocupações de moradia”, diz. Ela conta que “`à medida que o mapeamento avança, é possível identificar que existe uma sobrecarga nas organizações por lacunas nos serviços públicos em meio a um contexto que exige políticas emergenciais de geração e garantia de renda, campanhas de comprometimento do poder público com os direitos da população imigrante e ações de prevenção do racismo e xenofobia”.

A pandemia do novo coronavírus Sars-Cov-2, causador da Covid-19, já afetou todos os estados brasileiros, causando 107.780 casos confirmados no Brasil e 7.321 óbitos, de acordo com dados do Ministério da Saúde nesta última segunda-feira (4). Em cidades como Nova York (EUA), com grande concentração de imigrantes indocumentados, latinos e negros estão entre as principais vítimas da Covid-19, principalmente em razão da falta de políticas que garantissem a quarentena e a prevenção de forma igual para todos. Até o momento, no Brasil, faltam dados sobre o impacto do coronavírus entre a população migrante.

Conforme explica a presidenta da Cátedra Ana Carolina de Moura Delfim Maciel, a iniciativa é uma ação que reforça a necessidade de agir em conjunto em função de uma pauta comum. “Com a eclosão da pandemia se faz necessário, mais do que nunca, empreender ações voltadas para a população de imigrantes e refugiados”, diz. “A Plataforma visa minimizar os efeitos da crise da Covid-19 nessa população extremamente vulnerável e que já enfrenta inúmeras dificuldades, algo que vem se agravando com a crise sanitária, econômica e social que atravessamos no Brasil e no mundo”.

Como próximo passo, as organizadoras estão buscando ampliar as articulações inter-regionais no trabalho com imigrantes e refugiados para que a plataforma sirva como um intercâmbio de experiências sobre as demandas e ações que vem ocorrendo em outras cidades e estados do Brasil, mas que muitas vezes não tem visibilidade. Também se propõem a publicar nas redes do Fórum e da Cátedra um boletim semanal com atualizações sobre as principais ações e notícias mapeadas por meio da plataforma.

Para colaborar, basta acessar o documento da plataforma neste link e incluir data, autoria, local, tipo de colaboração e um breve resumo da iniciativa. Para mais informações ou dúvidas, entre em contato pelo e-mail [email protected].

+ sobre o tema

“É melhor morrer em pé do que viver de joelhos”

Quem ama as liberdades democráticas que se mire em...

Degola, linchamento e cassação: gente negra pode mesmo eleger e ser eleita?

Imagina se uma vereadora negra de Catanduva (SP) e...

Entrevista: o dinamismo de Cidinha da Silva

por Júnia Puglia    foto André Frutuôso  Em seu novo livro, “Racismo no Brasil...

Peritos das Nações Unidas avaliam condições de vida dos africanos em Portugal

Por: António Pereira Neves Genebra, 14 mai...

para lembrar

São Paulo ganha espaço de comida vegana típica do Congo inaugurado por um refugiado africano

Uma viagem gastronômica e cultural. Do Vista-se Há algumas semanas o...

‘Lentidão e descaso com os pobres’: como governos brasileiros reagiram a epidemias na História

Desde que foi "descoberto", o Brasil enfrentou várias epidemias,...

Coronavírus acelera o êxodo urbano na África

Muitos temem a fome caso não abandonem as cidades Por...

‘Voltar ao normal seria como se converter a negacionismo e aceitar que a Terra é plana’, diz Ailton Krenak

Líder indígena acredita que epidemia de coronavírus é reação...

População de rua no Brasil cresceu quase 10 vezes na última década, aponta Ipea

A população em situação de rua no Brasil aumentou 935,31% nos últimos dez anos, segundo levantamento do Ipea (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada) com base em...

Saúde mental dos idosos ainda sofre os impactos da pandemia

Após anos de enfrentamento da pandemia da Covid-19, torna-se evidente que os idosos estão entre os grupos mais afetados em termos de saúde mental. A melhoria das...

Nova ferramenta fortalece a valorização das ONGs no Brasil

Já faz muito tempo que as entidades sem fins lucrativos vêm ganhando relevância entre os protagonistas que conduzem o destino do nosso país. Entretanto, foi a...
-+=