São Paulo diverso

Por: Mauricio Pestana

Desde a assinatura da Lei Áurea (1888), várias foram as tentativas de reduzir o fosso de desigualdades que 4 séculos de escravização criou entre negros e brancos no Brasil, maximizados, pós abolição, pela forma de ação do Estado Brasileiro que não investiu na promoção da igualdade racial.

Já, o século 20 foi marcado por várias iniciativas, oriundas de organizações negras, na defesa de políticas públicas de igualdade racial e, mais recentemente nas políticas afirmativas com o objetivo de acelerar as estratégias para ampliar a igualdade.

As ações afirmativas foram muito combatidas por setores conservadores da sociedade a partir de argumentos confusos, absurdos e, por vezes, aterrorizador, reduzindo o valor de uma iniciativa que trouxe, em sua essência, a importância do desenvolvimento econômico ancorado na justa distribuição de oportunidades para grupos que sofreram injustiças históricas.

No mundo do trabalho, por exemplo, as desigualdades são enormes. Negros (pretos e pardos) mesmo sendo mais da metade da população no Brasil, nos quadros funcionais das 500 maiores empresas do País representam apenas 31,1% dos empregados; nos cargos de supervisão das mesmas empresas representam apenas 25,6%; no âmbito gerencial 13,2%, ganham em média 30% a menos do que um branco para executar as mesmas tarefas como revelou pesquisa do Instituto Ethos e Ibope em 2010 O Dieese destaca que a questão salarial da mulher negra e pior, pois recebe, em média, 30% do salário do homem branco e a metade do rendimento da mulher branca.

Reunidos na capital, com o apoio do Governo Municipal, Empresas Privadas e Sociedade Civil pretendem dar um passo importante em prol das políticas de Ações afirmativas. O “ São Paulo diverso- Fórum de Desenvolvimento Econômico Inclusivo” apresentará uma série de experiências de empresas e também do Governo, como é o caso da Prefeitura de São Paulo, para o desenvolvimento com base em uma distribuição justa de oportunidades por meio de políticas de ações afirmativas. O Fórum se apresenta como sendo uma oportunidade ímpar e um grande exemplo que, a maior cidade e maior economia do País, estará dando ao Brasil no combate as desigualdades.

Fonte: Vermelho

+ sobre o tema

HIV: preconceito leva homens a se descuidar do tratamento

Que os homens não gostam de cuidar da saúde,...

Vozes pelos direitos humanos: Femi Kuti

Músico mundialmente famoso,  Fela Kuti (1938-1997) foi preso por...

Em protesto contra Feliciano, deputados abandonam Comissão de Direitos Humanos

Deixaram seus cargos: Érika Kokay, Domingos Dutra, Padre Ton,...

para lembrar

CPI do Trabalho Escravo é instalada na Câmara

Ruralistas demonstram preocupação com a pauta e jogam peso...

Gente Nova – Direitos Humanos em 2 minutos

Foi ao ar no início desta semana o primeiro...

Entrega da Carta no gabinete da deputada federal Adriana Accorsi – PT/GO

Geledés - Instituto da Mulher Negra assinou a carta...

Geledés discute racismo religioso na ONU

Geledés – Instituto da Mulher Negra segue com sua...
spot_imgspot_img

Desenrola para MEI e micro e pequenas empresas começa nesta segunda

Os bancos começam a oferecer, a partir desta segunda-feira (13), uma alternativa para renegociação de dívidas bancárias de Microempreendedores Individuais (MEI) e micro e...

“Geledés é uma entidade comprometida com a transformação social”, diz embaixador do Brasil no Quênia

Em parceria com a Embaixada do Brasil no Quênia, Geledés - Instituto da Mulher Negra promoveu nesta sexta-feira 10, o evento “Emancipação Econômica da...

Caso Sônia é desastroso para combater trabalho escravo, alerta auditor

A história de Sônia Maria de Jesus, de 50 anos – que foi resgatada em uma operação contra o trabalho análogo à escravidão da...
-+=