Vidas negras importam: Miss Universo apoia movimento Black Lives Matter e luta antirracista

Quando Zozibini Tunzi participou das manifestações do movimento Black Lives Matter em Nova York, a Miss Universo tinha em mente quantos jovens negros em seu país natal, a África do Sul, morreram lutando pela mesma causa há 44 anos.

– Os estudantes sul-africanos protestavam contra o racismo sistêmico – diz Tunzi, de 26 anos, lembrando da manifestação em Soweto, quando dezenas de milhares de estudantes se uniram contra o apartheid que segregava e controlava a maioria negra. – Muitos anos depois, isso ainda acontece, não apenas na Àfrica do Sul, mas em todo o mundo – diz a Miss Universo, que passa em Nova York o ano de seu reinado no mais importante concurso de beleza do mundo.

Uma das poucas mulheres negras a ganhar o título, Tunzi planejava usar a influência do posto para desafiar o racismo, a desigualdade e as percepções de beleza – isso ainda antes do movimento Black Lives Matter sacudir centenas de cidades americanas.

Mais de 25 anos depois do fim do apartheid, a África do Sul é considerado um dos países mais desiguais do mundo, de acordo com o Banco Mundial. Tunzi cresceu ao lado de quatro irmãs em uma área rural do país e começou a participar de concursos de beleza em igrejas locais quando tinha apenas 6 anos – sua mãe acreditava que isso ajudaria a menina a fazer amigos. Mas a Miss Universo diz que, apesar da participação precoce nos concursos, nunca foi fã de vestidos ou maquiagem: ela gostava mesmo é de ser chamada a opinar sobre o mundo.

– As mulheres não têm muitas plataformas para compartilhar suas opiniões e eu pensei: essa é a minha oportunidade de falar e dizer coisas importantes.

A pandemia de Covid-19 limitou suas ações, e Tunzi confessa que em alguns momentos sentiu que estava de mãos atadas. Mas ela tem usado as redes sociais – tem 2,7 milhões de seguidores no Instagram – e as do concurso Miss Universo para ecoar seu discurso.

As iniciativas de Tunzi como Miss Universo são fruto das ambições que tinha ao entrar no concurso Miss África do Sul, em 2017: ter uma plataforma para sua visão de mundo porque estava cansada de não ver mulheres negras representadas nas revistas de moda. Naquele ano, ela chegou à semifinal; dois anos depois, se tornou Miss Universo.

– Eu lembro de crescer abrindo revistas e não me reconhecer nelas e sentir que não estava representada. Então, eu pensei: “Vou resolver dois problemas de uma só vez.”

Tunzi ganhou apoio para realizar suas ambições usando seu cabelo crespo natural, não cedendo à pressão para usar uma peruca ou alongamentos.

– As pessoas têm falado sobre isso desde o concurso, e fico feliz que falem. Mas espero que cheguemos a um momento em que, quando uma mulher usar seu cabelo natural, ninguém vai perguntar o porquê. Meu cabelo é assim, ele cresce na minha cabeça, e esse é o porquê!

O cabelo pode parecer um assunto trivial, mas Tunzi lembra que, em 2016, a adolescente Zulaikha Patel, então com 13 anos, iniciou protestos contra a exigência de cortar o cabelo feita por sua escola aos estudantes negros. Ela e seus colegas se manifestaram e a escola teve que mudar sua política.

– Eles não protestaram apenas pelo cabelo. Eles protestaram para desmanchar o sistema que os confrontava.

+ sobre o tema

Brancos, vamos falar de cotas no serviço público?

Em junho expira o prazo da lei de cotas nos...

Em junho, Djavan fará sua estreia na Praia de Copacabana em show gratuito

O projeto TIM Music Rio, um dos mais conhecidos...

O precário e o próspero nas políticas sociais que alcançam a população negra

Começo a escrever enquanto espero o início do quarto...

Estado Brasileiro implementa políticas raciais há muito tempo

Neste momento, está em tramitação no Senado Federal o...

para lembrar

Adolescente de 17 anos foi morto com ‘mata-leão’ de policial

Adolescente de 17 anos foi abordado por policiais militares...

Jazz como denúncia do racismo policial

Sobre Ku Klux Klan Police Department, de Christian Scott...
spot_imgspot_img

Atirador mata três homens negros na Flórida; crime teve ‘motivação racial’, diz polícia

Um homem branco matou três homens negros do lado de fora de uma loja de descontos em Jacksonville, no estado americano da Flórida, em...

Ato em Copacabana pede justiça por rapaz morto em ação policial

Familiares, amigos, moradores da Cidade de Deus, artistas e apoiadores realizaram um ato, neste sábado (19), pedindo justiça por Thiago Menezes Flausino, 13 anos...

Justiça realiza audiência de instrução do julgamento dos PMs acusados de matar Kathlen Romeu

A Justiça Fluminense marcou para esta segunda-feira (29) uma audiência de instrução e julgamento dos PMs acusados de atirar contra a jovem Kathlen Romeu. Marcos Felipe...
-+=