Guest Post »
Carnaval Politicamente correto

Carnaval Politicamente correto

O rei momo, de turbante e com as chaves da cidade, anuncia à turba as regras do carnaval.

Por Lele Teles Enviado para o Portal Geledes

“carnaval não tem regras”, gritou um macho branco, heterossexual e libertino.

“esse ano tem”, retificou a voz adiposa e momesca.

e foi logo anunciando: “esse ano tá proibido ‘o teu cabelo não nega, mulata'”.

“vejo nada demais nessa música”, reclamou a descendente de escravizadores, escovando os cabelos com os dedos.

“e por falar em cabelo, olha a cabeleira do zezé, também tá fora”. continuou o momo, lendo uma lista que trazia no regaço.

“idiotas esquerdistas”, gritou o filhote da ditadura, cristão e heterossexual.

“gordo imbecil, lixo. nem no carnaval a gente pode zoar os gays?”, reclamou o homem branco de dorso nu e bombado.

“vamos criar um bloco com cordas e deixar esse balofo e essas feministas de fora”, sentenciou a mocinha.

“afinal, carnaval é transgressão, no carnaval pode tudo”. gritou o bombado, triunfante.

“pode tudo o cacete”, disse o rei de araque, “os negros e os gays estão a ser zoados o ano inteiro. transgressão, meu bom rapaz, seria, pelo menos no carnaval, não zoá-los”.

o momo ajeita a coroa de papelão na cabeça e prossegue: “e tem mais, esse ano não teremos cordas nem currais. que diabo de carnaval é esse onde o rico representa o papel de rico e o pobre está sempre travestido de pobre?”

a turba reclamava, da multidão ouvia-se choro e ranger de dentes.

indiferente, o rei da festa prossegue: “acabou o carnaval chiclete com banana que, como sabemos, era chiclete pros brancos e banana pros pretos”

ao meu lado, a mocinha murmurou que o carnaval tava ficando sem graça, “é um tal de confete ecológico, purpurina despurpurinada…”

come prosseguiu: “também tá liberado a turma da capoeira e do boxe usar os corpos de jovens brancos e embriagados como sparring. pode descer a porrada na molecada, tomar o iphone e limpar os bolsos”.o eu não lhe dei ouvidos, ela gritou: “por que o senhor não vai puxar carnaval em cuba, sua baleia comunista, safado?”

e encerrou, murmurando para os que estavam a seu redor: “onde já se viu, esses complexados já botaram roupa até na globeleza, que esse ano tava até mais bonita e menos preta”.

“ok”, disse o rechonchudo monarca, do alto do trio elétrico: “liberemos as marchinhas canalhas, mas vamos liberar também a dedada na bunda das meninas e o beijo à força com puxão de cabelo”.

e prosseguiu: “também tá liberado a turma da capoeira e do boxe usar os corpos de jovens brancos e embriagados como sparring. pode descer a porrada na molecada, tomar o iphone e limpar os bolsos”.

“aí, não. aí não vale”, gritou uma coroa siliconada, ao que foi reverberada pela turba que não sabe sambar.

“com mil diabos”, disse o rei momo, “quer dizer que na condição de opressor vale tudo no carnaval, mas na condição de oprimido nada vale?”

silêncio geral.

“toca essa porra pra frente e deixa como tá”, disse o momo ao motorista do trio elétrico.

e a folia prosseguiu com as mesmas regras de sempre.

no carnaval brasileiro não tem essa de máscaras nem de fantasias: rico é rico, pobre é pobre, branco é branco, preto é preto e a polícia sabe exatamente em quem enfiar porrada.

há muitas regras no carnaval: há regras nos camarotes, na marquês de sapucaí, nas cordas baianas…

pode ficar nua, mas com tapa sexo.

só pretos empurram carros alegóricos.

os pretos seguram as cordas, os brancos dançam.

pretos seguram o isopor, brancos bebem.

é trio elétrico? põe os negão na cozinha, tocando pandeiro.

microfone na mão, comandando a massa, só brancos e brancas.

o nosso carnaval, com suas fantásticas fantasias e seus incríveis carros alegóricos, tem nada de transgressão, a imagem é clara:

brancos em cima, pretos embaixo.

palavras sapienciais.

Escreva um comentário e participe!

Related posts