Campanha de apoio nacional e internacional pela vida da professora e vereadora eleita Ana Lúcia Martins

Desde o dia 15 de novembro, ainda antes do resultado das eleições municipais em Joinville (SC), a professora Ana Lúcia Martins (PT), a primeira mulher negra eleita vereadora na história da cidade, vêm sofrendo diversos ataques, como o hackeamento de suas redes sociais, comentários racistas e ameaças de morte.

Logo no dia seguinte à sua eleição, um radialista de Joinville atacou Ana Lúcia Martins, afirmando que não poderia “comemorar uma petista no poder novamente” e que o seu partido “não deveria existir mais”. Naquele mesmo dia, no Twitter, um perfil respondia com ameaças os apoiadores que comemoravam a eleição de Ana Lúcia. Numa das mensagens, o criminoso escreveu o seguinte: “OS FASCISTAS MANDARAM AVISAR QUE ELA QUE SE CUIDE”. Em outra, o autor das ameaças disse: “agora só falta a gente m4t4r el4 e entrar o suplente que é branco (sic)”. No perfil do racista, havia outras mensagens de ódio e também a divulgação de uma tal “Juventude Hitlerista”, composta por cerca de 25 mil membros.

Após a denúncia e grande repercussão do caso, iniciou-se uma investigação para descobrir os autores do crime. No último domingo, 22 de novembro, a Polícia Civil realizou busca e apreensão na casa de um jovem de 22 anos, suspeito de ser o autor dos ataques. O jovem não foi preso por não ser pego em flagrante. Em depoimento, familiares alegam que ele sofre de esquizofrenia.

Ainda no domingo, após o mandado, a vereadora Ana Lúcia Martins sofreu novas ameaças de morte, ainda mais graves, desta vez por e-mail, com cópia para jornalistas, OAB, Tribunal de Justiça, entre outros órgãos públicos. O vereador Alisson Julio, eleito pelo Novo, que também recebeu o e-mail com as ameaças contra Ana Lúcia, registrou Boletim de Ocorrência e divulgou em suas redes sociais, passou a sofrer ataques e ameaças de morte na resposta dos e-mails enviados.

Diante deste grave e preocupante cenário, convocamos todos e todas para juntos lançarmos uma campanha nacional e internacional de apoio a Ana Lúcia Martins e para pressionar os órgãos responsáveis para que sejam tomadas as devidas providências para proteger a vida e a integridade de Ana Lúcia Martins e para que descubram e punam os autores destas práticas criminosas, que configuram também um evidente ataque à democracia e aos direitos humanos.

** ESTE ARTIGO É DE AUTORIA DE COLABORADORES OU ARTICULISTAS DO PORTAL GELEDÉS E NÃO REPRESENTA IDEIAS OU OPINIÕES DO VEÍCULO. PORTAL GELEDÉS OFERECE ESPAÇO PARA VOZES DIVERSAS DA ESFERA PÚBLICA, GARANTINDO ASSIM A PLURALIDADE DO DEBATE NA SOCIEDADE. 

Leia também:

+ sobre o tema

Emicida e o direito de sermos quem somos

“Eu mudarei o curso da vida/Farei um altar para...

A solidão da mulher trans

Será que realmente podemos ser amadas? Nós mulheres trans e...

Conversas sobre o luto: quando uma mãe preta retorna ao mundo das encantadas

O encantamento é uma das principais heranças deixadas por...

para lembrar

João Cândido e o silêncio da escola

João Cândido, o Almirante Negro, é um herói brasileiro....

Todo Cientista é Branco? Não! Representações Contemporâneas sobre “Quem faz Ciência?”

As narrativas que se relacionam com o que compreendemos...

(In)dignas de amor

“Todos nós – todos os que a conheceram –...

A necessidade de uma Educação Antirracista

Quando eu estava na 4º série, ali em meados...

O pensamento social brasileiro e a cultura do esquecimento

Brasil, um país historicamente novo, construído em base do colonialismo, escravismo e desigualdade, que deram os moldes de nossa sociedade atual. Em 520 anos...

A resiliência semeando sonhos

Um menino negro retinto, pobre da periferia de São Paulo...  Um desejo de perder a timidez, dançando...  Um Reencontro com a dança… Uma realização… Uma carreira como um...

A canção “Cassius Marcelo Clay” e a obra afrodiaspórica de Jorge Ben

A efervescência política e cultural que perpassou os cotidianos das populações afrodiaspóricas pelo mundo entre os anos 1960 e 1970, não passou despercebida no...
-+=