Caso João Pedro: MP encaminhará para a PF estojos de fuzil encontrados no quintal da casa onde garoto morreu

Enviado por / FonteO Globo

Oito estojos de fuzil calibre 5.56 encontrados no quintal da casa onde o menino João Pedro Mattos Pinto, de 14 anos, morreu, no Complexo do Salgueiro, em São Gonçalo, Região Metropolitana do Rio, serão encaminhados pelo Ministério Público do Rio para a Polícia Federal. O material será comparado com estojos de três fuzis que estavam com policiais civis que participaram da operação – que contou também com equipes da PF – durante a qual o adolescente foi baleado. As informações são do G1.

Além dos estojos, será também mandado para a perícia da PF um fragmento de um projétil calibre 5.56 encontrado no corpo de João Pedro, informou o portal de notícias. O adolescente morreu no dia 18 de maio deste ano. Após ser baleado, o garoto foi transportado pelo helicóptero da Coordenadoria de Recursos Especiais (Core), da Polícia Civil, até o heliponto da Lagoa, na Zona Sul do Rio, onde foi constatada sua morte. Parentes do garoto não foram informados sobre essa movimentação e procuraram por ele durante 17 horas.

Policiais mudaram versão
Os policiais investigados pelo homicídio de João Pedro deram duas versões diferentes sobre tiros disparados do helicóptero em direção ao Complexo do Salgueiro. No primeiro depoimento que prestaram, no dia da morte, os três agentes investigados omitiram que fizeram disparos da aeronave. Já no segundo relato, uma semana depois, eles afirmaram que atiraram um total de 29 vezes da aeronave em direção ao solo.

De acordo com a segunda versão apresentada pelos agentes — lotados na Core —, os disparos do helicóptero foram feitos quando a equipe chegou ao Salgueiro e foi atacada por criminosos armados. O policial que afirmou ter dado mais tiros da aeronave é o inspetor Mauro José Gonçalves, que apertou o gatilho 15 vezes antes do pouso.

Em seu segundo relato, Gonçalves também mudou a versão sobre a arma que usou para disparar dentro da casa onde o adolescente foi morto. No primeiro depoimento, ele alegou que só usou, no dia do crime, um fuzil de calibre 762. Já uma semana depois, disse que, na verdade, portou dois fuzis durante a operaçao: o de calibre 762, segundo a nova versão, foi usado no helicóptero; após o pouso, o agente disse ter usado um fuzil M16 de calibre 556, mais leve, que levava como “reserva”.

Casa tinha 64 marcas de tiros

O laudo pericial feito pela Delegacia de Homicídios de Niterói, São Gonçalo e Itaboraí (DHNSGI) sobre a casa onde João Pedro foi baleado enumera 64 marcas de tiros na residência. A maior parte delas, segundo o documento, foi produzida por disparos feitos a partir do portão de entrada do terreno — justamente por onde os três policiais civis investigados pelo crime entraram no local.

Segundo o laudo, a distribuição dos projéteis encontrados na casa “permite concluir se tratar de mais de uma arma com produção de tiros em sentidos opostos”. No entanto, segundo o próprio perito esclarece no documento, todos os projéteis foram entregues à perícia pelos próprios agentes investigados. Ou seja, os cartuchos não foram coletados pelo perito nos locais onde foram encontrados. Os agentes investigados também entregaram ao perito uma pistola calibre 9mm e três granadas.

 

 

Leia Também:

Policiais investigados por homicídio de João Pedro mudaram versões sobre disparos

 

 

+ sobre o tema

STF volta a proibir a apreensão de menores sem o devido flagrante nas praias do Rio

Após audiência realizada na manhã desta quarta-feira, em Brasília, o STF determinou...

Adolescente denuncia mulher por agressão e injúria racial em Rio Preto

Um adolescente de 13 anos denunciou ter sofrido injúria...

para lembrar

Negras e negros marcham pelo direito de viver

Ato contra o genocídio da juventude negra reúne diversos...

Brasil tem ficado mais inseguro para negros

Artigo publicado pelo Rio On Watch mostra queda de...

SP: Polícia mata, governo mente e movimento negro convoca protesto

*Charge de Latuff, especial para Campanha Contra o Genocídio...

A Bahia está mergulhada num mar de sangue

Postura radical é inaceitável para policiais acostumados a chutar...
spot_imgspot_img

Um guia para entender o Holocausto e por que ele é lembrado em 27 de janeiro

O Holocausto foi um período da história na época da Segunda Guerra Mundial (1939-1945), quando milhões de judeus foram assassinados por serem quem eram. Os assassinatos foram...

Massacre de Paraisópolis: policiais militares têm segunda audiência

O Tribunal de Justiça de São Paulo retoma, no início da tarde desta segunda-feira (18), o julgamento dos 12 policiais militares acusados de matar...

Câmara do Rio de Janeiro promove encontro entre familiares de vítimas da violência do Estado

Pela primeira vez, a Câmara Municipal do Rio de Janeiro promoveu o “Café das Fortes” que reúne mães e familiares de vítimas do genocídio...
-+=