E a culpa é da repórter assediada por Biel. Por Nathalí Macedo

Mc Biel reúne o que há de mais asqueroso na humanidade.

Por Nathalí Macedo Do DCM

A essa altura é presumível que não falo apenas da música inaudível. Música inaudível não me diz respeito: se não gosto, não ouço. Mas machismo, racismo, homofobia, transfobia, gordofobia, elitismo e ignorância dizem respeito a todos nós – e nós precisamos, infelizmente, falar sobre esse garoto que, não fosse pelo comportamento nauseante, não mereceria sequer o nosso tempo.

Não bastasse o atentado aos nossos ouvidos a cada vez que canta, Gabriel foi o assediador de uma repórter do IG Giulia Pereira, que foi demitida após denunciá-lo (aliás, que papelão, IG!).

“Tá gostosinha, te quebro no meio”, disse ele à moça que tentava apenas fazer o seu trabalho que, por infortúnio, naquele momento consistia em entrevistá-lo.

A repórter foi demitida sob o pretexto de “seniorização da equipe” e o garoto branco metido a popstar continuou com seus shows de péssima qualidade.

Ele se desculpou – como todo assediador que só se arrepende quando é exposto – mas transformou a infeliz frase dita à repórter em um bordão, e cantou “tá gostosinha, de quebro no meio” em um dos shows.

Mesmo diante dessa realidade no mínimo desanimadora para quem luta por uma sociedade livre de assédio, o cantor teve a audácia de afirmar em entrevista ao TV FAMA: “Eu queria primeiro deixá-la ciente do quanto ela prejudicou minha carreira.”

Você não entendeu errado: A repórter sofreu assédio, foi exposta e demitida; o assediador não apenas não foi punido como continuou fazendo shows e debochando da situação, para, no fim das contas, ter a pachorra de sentir-se profissionalmente prejudicado.

Parece apenas o cúmulo da cara de pau, mas isso tem outro nome: machismo naturalizado. Para um garoto como ele, com uma formação pessoal estúpida e terrível, dizer a uma repórter que a quebraria no meio acaso mantivessem relações sexuais é naturalíssimo, uma brincadeira inocente justificável pelo “clima de descontração”, como ele mesmo justificou, à época.

Esse episódio é, aliás, apenas a ponta do iceberg. Os tweets antigos de Mc Biel revelam um histórico de machismo, racismo, homofobia, transfobia, gordofobia e um discurso que, de modo geral, atinge o mais alto nível de violência possível:

“Bom dia, negros fedidos”; “A vocalista do evanescence deveria ser estuprada por fãs psicóticos”; “Bixa (sic) tem todo o direito de ser bixa mas não precisa estravazar (sic)”; “Mulher que anda toda decotada não merece o meu respeito”; “Adele poderia ser gostosa”; e “Te estupro, hein, Angélica” são apenas alguns dos despropósitos.

Duas coisas, penso eu, devem ser extraídas disto: a primeira é que esse assediador ignóbil desfruta de algum prestígio entre os adolescentes brasileiros.

Surgiu, inclusive, um tweet em que uma de suas fã-girls defendia-o com unhas e dentes (com argumentos de doer os olhos).

Que tipo de adolescentes estamos educando? Ou, em melhor colocação: Que tipo de adultos nos envergonharão até a próxima geração? É preocupante que exista alguém como Mc Biel sobre a face da terra, mas mais preocupante é que ele mantenha seguidores – e defensores – que compartilham de suas opiniões, que são os mesmos – eu apostaria – que se autointitulam bolsominions nas redes sociais.

Pudera: Adolescentes que são “educados” pela globo, Capricho, Atrevida e tantas outras revistas teen que perpetuam discursos socialmente descomprometidos e irresponsáveis, bombardeados pela má-informação (a falta de informação é preferível) e por uma modernidade caótica que não propicia uma convivência familiar salutar.

Em segundo lugar, a anti-novidade: Mc Biel pedirá desculpas, como fez na primeira vez em que foi exposto. Ele não só pedirá desculpas como declarará que mudou, que aprendeu muito e todas aquelas asneiras para boi dormir que já conhecemos.

E haverá ainda espaço para ele na mídia e na música. Haverá programas – como o TV Fama, por exemplo – que o escutarão. Haverá ainda fãs para defendê-lo. E haverá, por fim e infelizmente, quem esqueça de seus despropósitos.

Não, eu não adivinho. Mas machistas/racistas são enfadonhamente previsíveis.

+ sobre o tema

Casos de feminicídio e violência doméstica contra mulher crescem 40% na Justiça

O número de novos casos de feminicídio e violência...

O Poder da Mulher Negra, Feira Preta Cultura

A 11ª edição da Feira Preta Cultura acontece de...

Michelle Obama é elogiada ao aparecer com os cabelos naturais

Ex-primeira dama dos Estados Unidos e autora de best-seller...

Michelle Obama: ‘Muitos dos homens que estão em posições de liderança não merecem estar’

Ex-primeira dama americana faz tour pela Ásia para defender...

para lembrar

“No Brasil é normal ser racista, anormal é lutar contra isso”

Por muito tempo eu não tive coragem de me...

Seis razões para os homens amarem o feminismo

Se tem coisa que machuca fundo é homens fazendo...

Como o feminismo mudou a minha relação com a minha mãe

O feminismo mudou a minha relação com a minha...
spot_imgspot_img

‘Abuso sexual em abrigos no RS é o que ocorre dentro de casa’, diz ministra

A ministra das Mulheres, Cida Gonçalves, considera que a violência sexual registrada contra mulheres nos abrigos que recebem desalojados pelas enchentes no Rio Grande...

ONU cobra Brasil por aborto legal após 12 mil meninas serem mães em 2023

Mais de 12,5 mil meninas entre 8 e 14 anos foram mães em 2023 no Brasil, num espelho da dimensão da violência contra meninas...

Após um ano e meio fechado, Museu da Diversidade Sexual anuncia reabertura para semana da Parada do Orgulho LGBT+ de SP

Depois de ser interditado para reformas por cerca de um ano e meio, o Museu da Diversidade Sexual, no Centro de São Paulo, vai reabrir...
-+=