Geledés Instituto da Mulher Negra lança livro e documentário Projeto Rappers – A Primeira Casa do Hip Hop Brasileiro – História e Legado, narrando a trajetória da iniciativa pioneira que abriu as portas do movimento negro e feminista para os jovens do Hip Hop 

Artigo produzido por Redação de Geledés

Com prefácio de Sueli Carneiro e autoria de Clodoaldo Arruda, MC Sharylaine e Jaqueline Lima Santos, livro tem evento de lançamento com debates e show no dia 13 de dezembro, a partir das 15h, no Sesc Belenzinho

Documentário homônimo ao livro, com direção de Clodoaldo Arruda e MC Sharylaine e roteiro de Jaqueline Santos, Caio Franco e Thiago Mota, tem lançamento gratuito no Youtube também no dia 13 de dezembro

No ano do 50º aniversário do Hip Hop, Geledés – Instituto da Mulher Negra lança o livro e o documentário Projeto Rappers – A Primeira Casa do Hip Hop Brasileiro – História e Legado, sobre a iniciativa pioneira que entre 1992 e 2002 abriu as portas da militância negra e feminista para a juventude formadora daquele movimento artístico e cultural revolucionário. Marcando o duplo lançamento, serão realizados dois debates e um show no dia 13 de dezembro (quarta), a partir de 15h, no Sesc Belenzinho (veja programação completa abaixo). O documentário sobre o Projeto será lançado gratuitamente no Youtube também no dia 13 de dezembro.

Sob a direção de Lino Krizz, o show realizado na Comedoria do Sesc Belenzinho a partir das 20h30 traz encontros de grandes nomes do rap. Na abertura, o Resumo do Jazz convida Rappin Hood e BRSampler (antigo Potencial 3), que cedem o palco para Sharylaine convidar Chris Lady Rap, MC Regina e Luna. Logo depois, DMN apresenta sucessos com a sua formação original, trazendo o rapper Xis como convidado, e o encerramento fica por conta de Lino Krizz e seu convidado Thaíde, apresentando clássicos do rap nacional.

Em 1989, o movimento Hip Hop já era forte na cidade de São Paulo, tendo como epicentro o metrô São Bento, onde rappers faziam batalhas de rimas e BBoys, rodas de dança. Mas o assassinato do jovem Marcelo Domingos de Jesus, 19, com um tiro na testa em pleno vagão do metrô apenas porque cantava rap, foi um duro golpe para a mocidade que encontrava nas rimas sua forma de expressão justamente contra a violência policial racializada. Era comum que a polícia invadisse shows e levasse rappers presos, sofrendo toda sorte de abusos. 

Como muitos deles passaram a acessar Geledés em busca de ajuda e representação jurídica contra a desmedida repressão policial, o Programa de Direitos Humanos do Instituto criou em 1992 o Projeto Rappers, que visava o fortalecimento dos grupos de rap como instrumentos de denúncia e conscientização étnico-racial, a maior participação dos jovens no movimento negro e a capacitação profissional em caráter preventivo, para aumentar as possibilidades de inserção no mercado de trabalho e impedir a cooptação pela marginalidade. 

O projeto fez a ponte entre a juventude negra e periférica e o movimento negro em São Paulo, fortalecendo não só os integrantes do Hip Hop e seus seguidores como também Geledés e o movimento negro, que se beneficiaram com uma perspectiva jovem sobre as questões e necessidades da população marginalizada racialmente.

Uma das iniciativas de maior sucesso e visibilidade do projeto foi a revista Pode Crê!, publicada com a coordenação editorial do jornalista Flávio Carrança entre 1992 e 1994, sendo o primeiro veículo de comunicação voltado para a juventude negra, que se viu representada e validada em suas páginas e virou público cativo.

O livro Projeto Rappers – A Primeira Casa do Hip Hop Brasileiro – História e Legado (Editora Perspectiva), é uma coletânea de narrativas afetivas e de registro da iniciativa articuladora da juventude negra da cidade de São Paulo, com reverberações até no exterior, como a participação na Conferência de Pequim (China, 1995) de seu segmento Femini Rappers, voltado para as questões de gênero e para a integração das cantoras do movimento; e no Seminario Continental Racismo y Xenofobia – Propuesta de Desarrollo de los Afroamericanos, em dezembro de 1994 em Montevidéu, Uruguai.

Retomam essa história a pesquisadora do Hip Hop e gestora social Jaqueline Lima Santos e os rappers e insiders (tanto do movimento quanto do Projeto) MC Sharylaine (Ildslaine Silva) e Clodoaldo Arruda. O livro é também uma homenagem à coordenadora do Projeto Rappers e uma das fundadoras de Geledés, Solimar Carneiro, que morreu em julho de 2023.

A publicação traça a história do Projeto a partir dos depoimentos de grandes nomes atuantes no Rappers, como os cantores Xis, Lady Rap, Taty Godoi e MC Regina; a advogada especializada em Relações Étnico-raciais, Gênero, Segurança Pública e Sistema Prisional e uma das fundadoras de Geledés, Deise Benedito; o jornalista Flávio Carrança; e o pesquisador e educador Guiné, entre outros. O prefácio é de Sueli Carneiro.

Com direção de MC Sharylaine e Clodoaldo Arruda, que também dão depoimentos, e roteiro de Jaqueline Santos, Caio Franco e Thiago Mota, o filme Projeto Rappers – A Primeira Casa do Hip Hop Brasileiro – História e Legado (2023) apresenta a narrativa do livro em novos depoimentos de lideranças de Geledés, como a própria Sueli Carneiro e Deise Benedito, e de integrantes do movimento Hip Hop, intercalados com inúmeras imagens de arquivo de batalhas de rimas e rodas de dança, e de atividades realizadas pelo Projeto. 

Livro e documentário se complementam, trazendo um recorte da história do Hip Hop em união com o movimento feminista negro, que legitimou e repercutiu essa cena cultural prolífica. O documentário tem lançamento no Youtube também no dia 13 de dezembro com versões em português e inglês.

PROGRAMAÇÃO SESC BELENZINHO

13/12 (quarta)

15h | Debate 

Projeto Rappers e Revista Pode Crê – História e Legado para o Hip Hop Brasileiro

Conversa sobre a história, os impactos e o legado do Projeto Rappers, concebido pelo Geledés – Instituto da Mulher Negra, que proporcionou, pela primeira vez, o trabalho conjunto entre o movimento e o feminismo negro, com a cultura Hip Hop no Brasil. E sobre a Pode Crê!, primeira revista brasileira dedicada ao gênero, publicada entre os anos de 1992 e 1994, voltada para a juventude negra.

Com Clodoaldo Arruda, Flávio Carrança e Tina Gonçalves 

Mediação de Suelaine Carneiro

Grátis (retirar ingresso no local com uma hora de antecedência)

13/12 (quarta)

17h30 | Debate

Femini Rappers: A Introdução do Feminismo no Hip Hop

Uma conversa sobre o Femini Rappers, iniciativa das mulheres participantes do Projeto Rappers, que fomentava a formação política e o empoderamento, antes desse termo existir – mulheres do Hip Hop iniciando a luta feminista dentro dessa cultura no Brasil.

Com Sharylaine, Chris Lady Rap e Rúbia 

Mediação de Jaqueline Lima Santos

Grátis (retirar ingresso no local com uma hora de antecedência)

13/12 (quarta)

20h30 | Show

Homenagem ao Projeto Rappers

Encontros de artistas que participaram do pioneiro Projeto Rappers, nascido no Geledés – Instituto da Mulher Negra, que proporcionou pela primeira vez a interação e trabalho conjunto entre o movimento negro e feminismo negro com a cultura Hip Hop no Brasil. 

Com Resumo do Jazz + Rappin Hood + BRSampler (antigo Potencial 3) | Sharylaine + Chris Lady Rap + MC Regina + Luna | DMN + Xis | Lino Krizz + Thaíde

Ingressos R$ 50 (R$ 25 meia; credencial plena Sesc, R$ 15)

SERVIÇO

Lançamento do livro e do documentário Projeto Rappers – A Primeira Casa do Hip Hop Brasileiro – História e Legado de Geledés – Instituto da Mulher Negra

Dia 13/12 (quarta), a partir das 15h

Sesc Belenzinho 

R. Padre Adelino, 1000 – Belenzinho, São Paulo – SP

Grátis (debates) e R$ 50, R$ 25 (estudante) e R$ 15 (credencial Sesc) (show)

Livro Projeto Rappers – A Primeira Casa do Hip Hop Brasileiro – História e Legado

Editora Perspectiva, 168 páginas, R$ 54,90

À venda no site da editora

Documentário Projeto Rappers – A Primeira Casa do Hip Hop Brasileiro – História e Legado

São Paulo, Brasil, 40’, versões em português e inglês

Direção: Clodoaldo Arruda e MC Sharylaine

Roteiro: Jaqueline Santos, Caido Franco e Thiago Mota

Em exibição no Youtube a partir de 13 de dezembro

+ sobre o tema

O PLP 2.0 Aplicativo de Combate a Violência contra Mulher é premiado pela OEA

O aplicativo PLP 2.0 foi um dos premiados pela...

Webinário debate papel desempenhado pelo empreendedorismo social na pandemia

A Folha transmite, na próxima segunda-feira (7), o seminário virtual “Boas...

Feminismos vitais

O projeto “Enquanto Viver, Luto!”nasce da ideia de que...

para lembrar

As Duas Cores de Machado de Assis

"Mulato, ele foi de fato, um grego da melhor...

Literatura negra não caiu na graça do mercado, diz autor de Cidade de Deus

Em entrevista ao G1, Paulo Lins falou sobre samba,...

Em debate na Flica, Livia Natália diz: ‘Eu digo como quero ser representada’

Poeta baiana participou de mesa ao lado de Sapphire,...

Tradição exemplar: Negroesia, de Cuti

Por Jônatas Conceição da Silva1 Acredito que...

MinC seleciona projetos de hip-hop inscritos no Prêmio Cultura Viva

A Secretaria de Cidadania e Diversidade Cultural do Ministério da Cultura iniciou o processo de seleção das 2.671 iniciativas inscritas no edital do Prêmio...

Conceição Evaristo é eleita a nova imortal da Academia Mineira de Letras

A escritora Conceição Evaristo, 77, foi eleita nesta quinta (15) membro da Academia Mineira de Letras, na cadeira número 40, já ocupada por Afonso Pena Júnior e...

Conheça o livro ‘Um Defeito de Cor’, mais vendido online depois de enredo da Portela

Tema do enredo deste ano da Portela, o livro "Um Defeito de Cor", lançado em 2006 pela escritora mineira Ana Maria Gonçalves, alcançou, nas últimas...
-+=