Jovens negros morrem mais – Por: Chico Vigilante

Já vi muita gente boa se irritar quando alguém comenta sobre cotas para negros nas universidades, sobre Plano de Prevenção à Violência contra a Juventude Negra, sobre dívida histórica ou igualdade racial. As alegações são sempre as mesmas: somos todos iguais e essa história de cotas só serve para dividir a população em categorias e acirrar os ânimos entre elas.

Muitas das pessoas que agem assim também criticam o governo pelo aumento da violência no país. O que elas não sabem, ou mesmo jamais pensaram a respeito, é que não há como atuar contra a violência no Brasil, sem considerar a necessidade do enfrentamento ao racismo. Todos os programas voltados para o combate à violência devem dialogar com essa perspectiva.

Apesar de acompanhar e me interessar pela questão há anos me estarreci com os números fornecidos pela secretária Nacional de Juventude, Severine Macedo, na apresentação do Plano Juventude Viva, dia 5 de setembro último. Segundo ela, das 52 mil vítimas de homicídios no país, no ano de 2011, metade era de jovens e destes, 70% eram negros.

Segundo o “Mapa da Violência 2012”, o DF é a quinta unidade da Federação com maior taxa de morte entre jovens negros (103,8 para cada grupo de 100 mil habitantes). Em números gerais, o banco de dados do Serviço Único de Saúde (SUS) mostra que, em 2010, foram registradas 880 mortes violentas no Distrito Federal, das quais 57,84% foram homicídios de jovens, com 88,41% das vítimas negras e 82,7% do sexo masculino.

Quanto mais pobre é a região, maior são os índices de violência contra jovens negros. Em municípios da região metropolitana, como Novo Gama e Águas Lindas de Goiás, 100% das vítimas de homicídios entre 15 e 29 anos são negros.

A diminuição dos homicídios e a prevenção à violência exige ações no campo da segurança pública, na garantia de direitos, na ampliação das oportunidades para a juventude, especialmente a juventude negra, e na mobilização da sociedade.

Fiquei impressionado durante o lançamento do Plano Juventude Viva ao tomar conhecimento da amplitude dos programas voltados para a juventude, principalmente a negra, do nosso governo, a nível federal e local. Percebi que a reversão do quadro avassalador que vivenciamos no Brasil só ocorrerá com iniciativas concretas de políticas públicas, como estamos desenvolvendo, e que contem com o envolvimento de toda a sociedade.

De nada adianta apenas culpar o governo pela situação sem se inteirar dos programas que estão sendo desenvolvidos a respeito. Sem tentar se envolver neles para uma verdadeira participação cidadã, aquela que vai além da crítica pura e simples.

Somente o Plano Juventude Viva trará ao Distrito Federal e Entorno R$ 90,3 milhões do governo federal para desenvolver ações que reduzam os riscos sociais para jovens negros entre 15 e 29 anos.

Depois de Alagoas e Paraíba, o Distrito Federal é a terceira unidade da Federação a implementar o Juventude Viva. O diferencial aqui será a integração com os municípios do entorno (Santo Antônio do Descoberto, Águas Lindas de Goiás, Formosa, Luziânia, Novo Gama e Valparaíso).

O Plano prevê dentre outras medidas a criação no DF de um comitê gestor para definir as ações que serão desenvolvidas, e a criação de centros para atendimento dos jovens nas regiões administrativas. Na medida que um mapeamento apontou Itapoã, Estrutural, Ceilândia e Samambaia como os locais com maiores índices de mortalidade de jovens negros do Distrito Federal, o governo pretende focar nestas regiões o incremento de políticas públicas de educação, saúde e cultura.

O Plano Juventude Viva tem tudo para ter sucesso. Sua implementação é feita conjuntamente por estados, municípios, sociedade civil, Poder Judiciário, Ministério Público e Defensoria Pública. Além do mais sua construção contou com o envolvimento dos movimentos juvenis, do movimento negro, de representantes do hip hop, de especialistas em segurança pública e por meio de diálogos com atores governamentais, nas três esferas de governo.

Ele reúne ações de prevenção que visam reduzir a vulnerabilidade dos jovens a situações de violência física e simbólica, a partir da criação de oportunidades de inclusão social e autonomia; da oferta de equipamentos e do aprimoramento da atuação do Estado; por meio do enfrentamento ao racismo institucional e da sensibilização de agentes públicos para o problema.

Todas estas iniciativas deveriam, na medida do possível, se transformar em leis para que futuros governos, não abandonem o cumprimento das metas dos planos atuais. Inclusive, se for o caso no futuro, obrigar o cumprimento por parte daqueles que hoje nos criticam sem se inteirar do que está sendo realizado

Um aspecto bastante interessante do Plano é a criação de uma rede nacional de mobilização para fortalecer a ação das organizações nos territórios que já atuam e para o monitoramento do plano a nível local e nacional, por meio de campanhas nas redes sociais e nos veículos de comunicação. O importante é chamar a atenção de toda a sociedade para o problema.

A violência contra jovens pobres e negros no Brasil é o maior desafio a ser enfrentado pelo Plano Juventude Viva, criado para resgatar a dívida histórica do país com este segmento. Para isso é imprescindível a participação da sociedade civil não apenas na mobilização, mas também em sua gestão e monitoramento. A hora é essa. Vamos participar.

Fonte: Brasil 247

+ sobre o tema

Racismo e “branquitude” na sociedade brasileira

O racismo é crime no Brasil, previsto pela Constituição...

Ator negro preso por engano, resposta de Glória Maria e ‘cheiro de neguinha’ no BBB este é o racismo no Brasil

por Diego Iraheta Três episódios envolvendo globais nesta semana lançam luz...

Negros, vítimas esquecidas do nazismo

As pessoas de cor também estiveram na mira de...

para lembrar

Retrospectiva em preto e branco, sem blackface!

Nos últimos cinco anos no Brasil, o debate racial...

PMs não citaram ação social em depoimento sobre morte de jovem na Providência

Dois PMs investigados pelo homicídio do jovem Rodrigo Cerqueira,...

Entrevista – Otavio Ianni: O Preconceito Racial no Brasil

Na entrevista realizada no dia 11 de dezembro passado,...

“Vou doar uma rola branca” e “Por mim, morrem de fome”: ódio e racismo contra campanha da Uneafro

Campanha de financiamento coletivo para trabalho educacional do movimento...
spot_imgspot_img

O papel de uma líder branca na luta antirracista nas organizações 

Há algum tempo, tenho trazido o termo “antirracista” para o meu vocabulário e também para o meu dia a dia: fora e dentro do...

Mortes pela polícia têm pouca transparência, diz representante da ONU

A falta de transparência e investigação nas mortes causadas pela polícia no Brasil foi criticada pelo representante regional para o Escritório do Alto Comissariado...

Presos por racismo

A dúvida emergiu da condenação, pela Justiça espanhola, de três torcedores do Valencia por insultos racistas contra Vini Jr., craque do Real Madrid e da seleção brasileira. O trio...
-+=