Quem foi bell hooks? Escritora e ativista morreu aos 69 anos

Enviado por / FonteDo G1

Ela foi uma das escritoras feministas e teóricas mais importantes de sua geração.

bell hooks era uma escritora e ativista que morreu aos 69 anos nesta quinta-feira (15).

Uma das escritoras feministas e teóricas mais importantes de sua geração, ela era capaz de escrever ensaios com tom político, mas também bem pessoal.

O trabalho de hooks já foi descrito como “a redefinição do feminismo”. Para o jornal “Washington Post”, ela conseguiu ampliar um movimento que muitas vezes era visto principalmente como associado a mães e esposas brancas, de classe média e alta.

“A autora, professora, crítica e feminista fez sua transição cedo, de casa, rodeada de familiares e amigos”, escreveu a família dela em um comunicado.

Ela estava doente e rodeada de amigos e familiares quando morreu, de acordo com a sobrinha, Ebony Motley. hooks, que nasceu Gloria Jean Watkins, publicou seu primeiro livro de poemas “And There We Wept” sob seu pseudônimo em 1978.

O nome artístico, escrito inteiramente com letras minúsculas, era uma homenagem à bisavó.

Mais de 40 livros

A escritora e ativista bell hooks (Foto: Divulgação)

Depois, ela escreveu mais de 40 livros publicados em 15 idiomas diferentes. Os temas tratados por ela eram feminismo, racismo, cultura, política, papéis de gênero, amor e espiritualidade.

No Brasil, ganhou destaque por meio da publicação de obras traduzidas como “Olhares negros: raça e representação”, “Ensinando a transgredir: a educação como prática da liberdade” e “O feminismo é para todo mundo”.

Nesses textos, ela poderia também analisar clipes de Madonna ou a representação de negros americanos no cinema.

Watkins frequentou escolas segregadas no Condado de Christian, depois foi para a Universidade de Stanford na Califórnia e fez mestrado em inglês na Universidade de Wisconsin.

O doutorado em literatura, por sua vez, foi na Universidade da Califórnia em Santa Cruz.

Leia também:

Aclamada autora feminista negra, bell hooks morre aos 69 anos

bell hooks e as miudezas que importam

bell hooks deixa uma obra extensa, afetuosa e de um valor inestimável

+ sobre o tema

Viva a nós e as águas: representação das mulheres negras no cinema

Hoje gostaria de começar a dispor dos meus 15...

Como educar seu filho para não ser um cara machista

Sai o resultado do ultrassom, você avisa familiares e...

Empresária cria marca de artigos de papelaria com temática afro

Uma ex-professora apostou na diversidade ao lançar uma marca...

Hoje na História, 1935, nascia Lélia Gonzalez

Lélia Gonzalez nasceu em 1º de fevereiro de 1935,...

para lembrar

Estereótipos sexuais e as “negas”

O impacto provocado pela série Sexo e as negas...

O Teatro Negro de Cidinha da Silva

Cidinha da Silva é uma escritora que observa a atualidade....
spot_imgspot_img

Instituto Mãe Hilda anuncia o lançamento do livro sobre a vida de matriarca do Ilê Aiyê

O livro sobre a vida da Ialorixá Hilda Jitolu, matriarca do primeiro bloco afro do Brasil, o Ilê Aiyê, e fundadora do terreiro Acé...

Centenário de Tia Tita é marcado pela ancestralidade e louvado no quilombo

Tenho certeza que muitos aqui não conhecem dona Maria Gregória Ventura, também conhecida por Tia Tita. Não culpo ninguém por isso. Tia Tita é...

Julho das Pretas: celebração e resistência

As mulheres negras brasileiras têm mais avanços a celebrar ou desafios para travar? 25 de julho é o Dia Internacional da Mulher Negra, Latino-americana e...
-+=