Autonomia e reconhecimento na mira: corte de verbas nas universidades ataca diretamente estudantes mais pobres

O Ensino Superior Público brasileiro neste momento reflete o poema consagrado de Drummond e as pedras no caminho. Essa realidade é cotidiana, visto que, desde o início da gestão do Governo Federal que ainda está em posse da administração do país, o alvo se tornou a Universidade. Especificamente, os estudantes mais pobres que ingressaram na Universidade pós ações afirmativas.

Nas palavras finais da sua gestão como Reitor da Universidade Federal da Bahia, o Professor Dr. João Carlos Salles já apresentava a visão “tacanha” de governantes que enxergavam a Universidade como qualquer repartição pública qualificada pelos fatores gerenciais e eficientistas. Observava o professor que o atual governo, no estrangular da Universidade com seus cortes, contingenciamentos, visa instaurar um sentimento de desalento, buscando a todo tempo mitigar a autonomia.

Autonomia é uma palavra importante para analisar ao atual contexto das Instituições de Ensino Superior. Nessa toada, lembro-me das leituras de Paulo Freire, quando o mesmo propõe um olhar afiado para a pedagogia da autonomia, alertando que não há docência sem discência, evidenciando o caráter plural e diverso do ensino superior. Também reflito muito sobre as leituras de Alain Coulon quando ele aponta “o desejo de abandonar” a partir de uma análise dos processos de afiliação dos estudantes.

Um ponto chave em ambas as leituras é que a autonomia não carrega apenas um sentido individual do ser, mas uma identificação coletiva que opera toda a construção de uma Universidade. A autonomia universitária deve ser defendida porque na sua composição atores dotados de autonomia interagem entre si e produzem conceitos, arte, filosofia, ciência. Sem autonomia, não há Universidade.

E aqui encontra-se o dilema orçamentário e o investimento na Educação no Ensino Superior. Inicialmente, observa-se que o uso da palavra investimento por si só já aponta um caminho de leitura para educação que destoa dos aspectos do que Foucault chamará de governamentabilidade, afinal como o próprio autor apontou, “O governo é definido como uma maneira correta de dispor as coisas para conduzi−las não ao bem comum, como diziam os textos dos juristas, mas a um objetivo adequado a cada uma das coisas a governar.”

Ou seja, não será tão incomum que os atuais governantes dentro de um projeto neoliberal, fascista e obscurantista, enxergue os investimentos na Universidade como um “GASTOS”. A questão é que esses “gastos” aos olhos destes governantes que ainda estão com a caneta no Brasil impactam diretamente na autonomia da Universidade e na permanência dos estudantes. Afinal, quando os cortes e contingenciamentos atingem orçamento e o empenho das Universidade, quem sofre é o principal ativo da educação pública: as pessoas.

Talvez, pela não compreensão disto, que projetos como future-se e outros foram ensaiados para mitigar a autonomia da Universidade e propor uma educação bancária, eficientista que não funciona com a natureza do ensino superior público brasileiro que é por si mesmo, crítico. Além da autonomia, o atual ataque à educação pública é também um ataque ao reconhecimento.

Com o advento das ações afirmativas, fruto do que Nilma Lino Gomes chamará de tempos de lutas, a Universidade Pública brasileira foi “pintada de povo”, se tornando mais diversas, abrindo possibilidades para novos encontros epistêmicos e produções cientificas a partir de novos sujeitos em busca de reconhecimento. Com essa guinada, o ensino superior tem se renovado cada vez mais. Mas o dilema não se encontra apenas no acesso, mas sobretudo, na permanência.

Não é incomum relatos de abandono do curso nas Universidades por questões econômicas ou sociais. Pessoas pobres, negras, indigenas, mulheres e PCDs passam por uma série de dificuldades para a sua manutenção nos cursos de ensino superior por variações complexas de relações sociais e necessidades materiais para a manutenção da permanência. Quando o governo promove o corte na educação superior e nas Universidades, não inviabiliza apenas o funcionamento da Universidade, mas a manutenção da permanência de muitos estudantes.

Além disso, é necessário observar o quanto é prejudicial para a própria economia do Estado investir anos para um estudante acessar e permanecer na educação superior e devido os cortes, atrelado a impossibilidade de permanência, este estudante abandonar o curso. Quando o Governo Federal ataca a educação, está atacando o próprio Estado brasileiro que está perdendo os seus investimentos no potencial presente e futuro de um país que necessita de mão de obra qualificada e atualizada.

Referências:

SALLES, João Carlos. Uma Palavra Final – discurso do reitor João Carlos Salles na Cerimônia de Encerramento da Gestão 2014-22. UFBA em pauta, 2022. Disponível em: https://ufba.br/ufba_em_pauta/uma-palavra-final-discurso-do-reitor-joao-carlos-salles-na-cerimonia-de-encerramento Acesso em: 08 de dezembro de 2022.

FREIRE, Paulo . Pedagogia da autonomia: saberes necessários a prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 2004.

COULON, Alain. A condição de estudante: a entrada na vida universitária. Salvador: EDUFBA, 2008.

GOMES, N. L (2017). O Movimento Negro educador: saberes construídos nas lutas por emancipação. Petrópolis, RJ: Vozes

** ESTE ARTIGO É DE AUTORIA DE COLABORADORES OU ARTICULISTAS DO PORTAL GELEDÉS E NÃO REPRESENTA IDEIAS OU OPINIÕES DO VEÍCULO. PORTAL GELEDÉS OFERECE ESPAÇO PARA VOZES DIVERSAS DA ESFERA PÚBLICA, GARANTINDO ASSIM A PLURALIDADE DO DEBATE NA SOCIEDADE.

+ sobre o tema

Jornalismo, imagem e poder: repertório para as representações raciais

  "Toute image du pouvoir se fonde sur un pouvoir...

A Sociedade e Nós

Se a história não reparar os séculos a fio...

Papai Noel preto, uma crônica natalina

Seo Gerson beijou a esposa e a filha pequena,...

E eu, não sou brasileira?

“Paulista, sério? Caramba, eu jurava que você era de...

para lembrar

Fuvest 2011 tem mais inscritos do que ano anterior

Ao todo, 132.969 pessoas se candidataram às 10.752 vagas...

ENEM: OAB orienta candidatos do Enem a procurar MP e não descarta pedir anulação

Os candidatos inscritos no Exame Nacional do Ensino Médio...

Faltam professores qualificados no ensino médio

Por: Cinthia Rodrigues Docentes desta etapa lidam com várias...

Ser menina na escola: estamos atentos às violências de gênero?

Apesar de toda a luta feminista, leis de proteção às mulheres, divulgação de livros, sites, materiais sobre a valorização do feminino, ainda há muito...

Como a educação antirracista contribui para o entendimento do que é Racismo Ambiental

Nas duas cidades mais populosas do Brasil, Rio de Janeiro e São Paulo, o primeiro mês do ano ficou marcado pelas tragédias causadas pelas...

SISU: selecionados têm até quarta-feira para fazer matrícula

Estudantes selecionados na primeira chamada do processo seletivo de 2024 do Sistema de Seleção Unificada (Sisu) têm até quarta-feira (7) para fazer a matrícula...
-+=