Curso de férias: Política, Democracia e Racismo

Dias 2 ª,3 ª, 4ª e 5ª feiras, das 18h às 21h.

Aparelha Luzia

Endereço: Rua Apa, 78 – Próximo ao metrô marechal deodoro (linha vermelha).

Confirme participação pelo e-mail [email protected] (nome, escolaridade, bairro e cor/raça)

Por Berg Pereira, para Kilombagem

Haverá certificados.

EMENTA:

Este curso tem como proposta refletir a conjuntura social a partir de uma perspectiva ideológica capaz de abranger as particularidades de formação e desenvolvimento do racismo, do machismo e do capitalismo dentro e fora da diáspora africana. Pretende-se fomentar por meio de debates que possibilitem reflexões e provocações em torno da luta classes em tempos de uma pós modernidade que decretou o fim da história. Diante da necessidade de pensar e de compreender nossas relações, elencamos alguns questionamentos: Qual o papel da Democracia na criação e expansão dos estados modernos. ?  O que é a política? O que nós negros pobres da temos a ver com a crise econômica e política? Qual a relação entre capitalismo e racismo? A luta antirracista é uma pauta da esquerda? Entre direita e esquerda porque não devemos ser direita?Como travar a luta contra o racismo sem cair nas armadilhas liberais? Qual a importância da divisão sexual do trabalho em sociedades racistas de formação escravocrata?

Programação:

18/01 e 19\01 – “Raça, Classe e Gênero: o que  Ângela Davis quis dizer com isso, afinal?” com Jaque Conceição

 18/01 – Encontro 1 – Vamos falar de liberdade

Nesse encontro, vamos debater como Ângela Davis operacionaliza o conceito de liberdade, a partir das contribuições da Teoria Critica da Sociedade. Vamos centrar nossas analises, nos textos publicados em 1970, que são a transcrição de sua aula inaugural na UCLA no outono de 1969.

Referência bibliográfica

DAVIS, Angela. Lecturen on libertation. Parts 1 and 2. New Radom: New York, 1970.

HERBERT, Marcuse. A ideologia da sociedade industrial. Unesp: São Paulo, 1987.

19\01  – Encontro 2 – Vamos falar de racismo e feminismo

Nesse encontro, vamos debater os aspectos metodológicos de Mulher, raça e classe. Embora, existam outros materiais tão relevantes quanto a obra citada, a sua recente tradução e lançamento no Brasil, coloca o livro, em evidência, contribuindo para a popularização do pensamento da autora.

Referência bibliográfica

ADORNO, Theodor. Dialética do esclarecimento. Zahar: Rio de Janeiro, 2001.

DAVIS, Ângela. Mulher, raça e classe. Boitempo: São Paulo, 2016.

23 e 24\01 – Capital, Trabalho, Racismo e Imigração  com Marcio Farias

O objetivo destes encontros é assinalar algumas premissas basilares da relação entre imigração contemporânea e economia política, averiguando tendências estruturais do fenômeno social da migração sob a égide do capital, bem como aspectos conjunturais. Nesse sentido, busca-se uma contrapartida analítica em relação ao establishment acadêmico sobre o tema em questão, apontando a necessidade de correlacionar imigração, racismo, xenofobia, sexismo/gênero com as relações sociais de produção.

23\01 – Encontro 1

Neste encontro discutiremos os elementos estruturais do processo migratório sob a égide do capital, bem como sua face contemporânea em relação ao centro do capital e a periferia. Para tanto, pretende se debater os conceitos de Estado, nação e Povo; Mobilidade do Trabalho e Relações Sociais de Produção; Racismo como Ideologia; Raça como antinomia da modernidade.

Bibliografia Básica

GAUDEMAR, J. P.. Mobilidade do trabalho e acumulação do capital. Lisboa: Estampa 1977 ( Prefácio, Introdução, Cap 1.Problemas e riscos de uma situação teórica da mobilidade do trabalho;);

BARAN, P; S, Paul. Capitalismo monopolista. Rio de Janeiro: Zahar, 1966. (Cap. 9 Capitalismo Monopolista e Relações Raciais);

RODNEY, W. Como a Europa Subdesenvolveu a África. Lisboa, Seara Nova, 1975. (Cap. 5 Item 5.1 Exportação de Mais Valia Africana no colonialismo). (Online)

FARIAS, M. Imigração na sociedade contemporânea: reestruturação produtiva do capital e das relações sociais de produção. Revista Observatório Itaú Cultural. N 21(nov.2016/maio 2017)- São Paulo: Itaú Cultural, 2017. (Online).

Bibliografia Complementar

.BRAZ, M & NETO, J.P. Economia política: uma introdução . São Paulo: Cortez,2012.

CHESNAIS, F. A mundialização do capital . São Paulo: Xamã, 1996

HARVEY, D. Condição pós-moderna: uma pesquisa sobre as origens da mudança cultural . São Paulo: Loyola, 1996

24\01 – Encontro 2

Nesta aula pretende se discutir a inserção do Brasil na globalização e as múltiplas veredas do processo migratório para o país. Assim sendo, o debate sobre emigração e imigração, relações sociais de produção e as condições de trabalho, relações raciais e de gênero.

Bibliografia Básica

BADI, M.K. Las migraciones africanas en la era de la globalión:luces e sombras. In MALOMALO, B; FONSECA, D.J.; BADI, M.K.(Org). Diáspora Africana e migração na era da globalização: experiência de refúgio, estudo, trabalho. Curitiba: CRV, 2015.

SOUZA, L.F. Estudantes african@s Migrantes: vivências e perspectivas na passagem do meio para qualificação. In MALOMALO, B; FONSECA, D.J.; BADI, M.K.(Org). Diáspora Africana e migração na era da globalização: experiência de refúgio, estudo, trabalho. Curitiba: CRV, 2015

VILLEN, P. A nova configuração da imigração no Brasil sob a ótica do trabalho. In. ANTUNES, R. (ORG). Riqueza e miséria do trabalho no Brasil III. São Paulo: Boitempo, 2014.

Bibliografia Complementar

ALVES, G. A. P. Trabalho e subjetividade ­ O “espírito do toyotismo” na era do capitalismo manipulatório. São Paulo: Editora Boitempo, 2011.

BASSO,P.Imigração na Europa.In.ANTUNES, R. (Org) A riqueza e a miséria do trabalho II. São Paulo: Boitempo,2014).

BAENINGER, R. & SIMAI, S. Racismo e sua negação: O caso dos imigrantes bolivianos em São Paulo. Travessia: Revista do migrante, 2011; Nº 68,JAN/JUN.

26\01 – Encerramento com Buia Kalunga e convidadas\os em  “Beneditas “  intervenções artísticas com musica  e poesia.

Se venha, o mic estará aberto à rebeldia, à beleza e à  nós!

Palestrantes:

Jaque Conceição – Graduada em Pedagogia (2009) pelo Centro Universitário São Camilo, é Mestre em Educação: História, Política, Sociedade (2014) pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. Articuladora do Coletivo Di Jejê, pesquisa a luz da Teoria Critica da Sociedade, especialmente as contribuições de Herbert Marcuse, Theodor W. Adorno e Angela Y. Davis. Tem experiência na área de Educação, com ênfase em Educação em Periferias Urbanas; e, experiência com políticas publicas, gestão de projetos sociais, debates e pesquisas sobre racismo e formação na perspectiva da Teoria Critica da Sociedade e também na formação continuada de professores e educadores sociais. Atua no campo dos Direitos Humanos desde 1995, com ênfase nas áreas: relações de gênero e raça, juventude e criminologia juvenil (medidas socioeducativas). Possuiu publicações sobre gênero, funk, juventude, racismo, sistema prisional e políticas sociais (artigos autorais e traduções) em revistas científicas e revistas de circulação não acadêmica. Recentemente atua com pesquisa, formação e disseminação de conhecimento sobre a formação do indivíduo negro (na perspectiva da Teoria Critica da Sociedade) no Brasil, e as relações entre feminismo/feminino na cultura tradicional de matriz africana presente no candomblé. Ainda dedica-se a elaboração do projeto de pesquisa de doutorado sobre a intelectual, professora e filosofa norte americana Angela Yvonne Davis. Militante dos coletivos culturais da Cidade de São Paulo, membro do Fórum dos Direitos da Criança e do Adolescente da Freguesia do Ó e Brasilândia desde 1998, também atua no movimento negro, situando-se no campo da luta pela defesa dos direitos e garantias das mulheres negras, e pelo fim do genocídio da juventude preta.

Marcio Farias – Possui graduação em Psicologia pela Universidade Presbiteriana Mackenzie (2011). Atualmente é mestrando em Psicologia Social na PUC(SP) e educador do Museu Afro Brasil. Pesquisador do NEGRI PUC SP (Núcleo de Estudos de Gênero, Raça e Idade) , co- coordenador do Núcleo de Estudos e Pesquisas Afro Americanos de São Paulo (NEAFRO/SP) e Bolsista CNPq. Tem experiência em pesquisa e estudos sobre pensamento social brasileiro e relações raciais no Brasil; Negritude e Marxismo no Brasil; Juventude, Cultura e Resistência; Psicologia, Educação, Arte e Cultura lei a mais: http://nepafro.webnode.com/products/marciofarias/

Coordenação: Bergman de Paula Pereira –  Historiadora, formada pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo(2009); mestranda em Ciências Humanas e Sociais na  Universidade Federal do ABC; Membra do coletivo preto de esquerda Kilombagem; Coordenadora do curso  de Formação e Capacitação de Educadores Sociais para a Implementação da Lei 10.639/03; Idealizadora e produtora do documentário Memórias de Vila Joaniza. Produtora cultural baile das “Beneditas”.

Realização:

Aparelha Luzia e Kilombagem.

+ sobre o tema

Ações afirmativas sob ataque

O receio e o sentimento de ameaça sentidos por...

Luciana, triste tradição

Na histórica condenação dos oito militares do Exército Brasileiro...

Afroperspectividade: por uma filosofia que descoloniza

Entrevista com o doutor em filosofia e professor da...

para lembrar

“Neymar é amarelo?”

Por: SAMY ADGHIRNI   Campeão do Mundo com a seleção de...

Professora vítima de racismo leva debate sobre direitos para sala de aula

Professora teve um vale de R$ 700 reais negado...

SP: Homem é indiciado por racismo após pintar símbolo nazista em rua

Um homem foi indiciado por racismo após pintar uma...
spot_imgspot_img

Após ‘discriminação racial’, Lewis Hamilton compartilha postagem em defesa a Bukayo Saka

O heptacampeão mundial de Fórmula 1, Lewis Hamilton, utilizou suas redes sociais para compartilhar um texto em em defesa do jogador Bukayo Saka, da...

Ministério da Igualdade Racial apresenta aprimoramentos da Lei de Cotas no Serviço Público em seminário na Câmara dos Deputados

Nesta terça-feira (11), a Diretora de Políticas de Ações Afirmativas, Layla Carvalho, representou o Ministério da Igualdade Racial no primeiro painel do Seminário Cotas no Serviço Público, na Câmara dos...

Como é a vida para as mulheres no último país da África sob colonização

Ainda hoje há um país africano colonizado. O Saara Ocidental está ocupado pelo Marrocos desde 1976, depois de quase 90 anos de invasão espanhola, e esteve em guerra...
-+=