Em show no Rio, Elza Soares cita jovens assassinados pela polícia

Sob aplausos, cantora fez apelo por fim da violência contra juventude negra

no O Globo

Em show desta terça-feira, Elza Soares citou o caso dos cinco jovens assassinados pela polícia no início da semana em Costa Barros, no Rio de Janeiro. Ao fazer um apelo pelo fim da violência contra os negros, a cantora foi veementemente aplaudida pelo público da casa de shows onde se apresentava no Leblon.

Elza escolheu o fim da música “A carne”, que consagra seu tom de denúncia do racismo desde 2002, para homenagear os cinco amigos entre 16 e 25 anos atingidos por 50 tiros da polícia militar na volta para casa.

A carne mais barata do mercado é a carne negra.

Elza, a mulher do fim do mundo.

Mundo que não tem se mostrado digno de um fim com Elza.

Show simplesmente emocionante. Um bálsamo nesses dias sombrios.

Posted by Janaína Oliveira on Terça, 1 de dezembro de 2015

“Mais cinco crianças foram mortas. Mais cinco negros foram mortos. Quando é que vamos ter um final disso tudo? Quando vamos ter um final desta tragédia?”, disse a cantora.

Depois de cantar intensamente o verso que diz “a carne mais barata do mercado é a carne negra”, Elza ainda repetiu diversas vezes “eu sou negra!”, sob os aplausos do público que acompanhava o show.

Em 2015, Elza Soares lançou o álbum “A mulher do fim do mundo”, em que aborda temas políticos como a violência doméstica e o racismo na vida contemporânea. Nesta quarta-feira, a cantora faz seu último show com as faixas inéditas do novo disco no Rio de Janeiro.

+ sobre o tema

A vez da reparação

É novembro, mês de gente branca convidar gente preta...

Racismo é a endemia cuja cura não interessa a medicina

O atual cenário político e o advento das redes...

para lembrar

Saber afirmativo

Nas universidades brasileiras, as políticas de cotas promovem a...

Entrevista – Cecile Kyenge, a ministra italiana alvo de ataques racistas

Cecile Kyenge é a primeira mulher negra num...

Rio: ONU lamenta morte de estudante no Complexo da Maré

A Organização das Nações Unidas (ONU) no Brasil lamentou...
spot_imgspot_img

Uma pessoa negra foi morta a cada 12 minutos ao longo de 11 anos no Brasil

Uma pessoa negra foi vítima de homicídio a cada 12 minutos no Brasil, do início de janeiro de 2012 até o fim de 2022....

Como as mexicanas descriminalizaram o aborto

Em junho de 2004, María, uma jovem surda-muda de 19 anos, foi estuprada pelo tio em Oaxaca, no México, e engravidou. Ela decidiu interromper...

Como o diabo gosta

Um retrocesso civilizatório, uma violência contra as mulheres e uma demonstração explícita do perigo que é misturar política com fundamentalismo religioso. O projeto de lei...
-+=