terça-feira, julho 5, 2022
InícioÁfrica e sua diásporaAfro-americanos28 mulheres negras ativistas que você precisa conhecer

28 mulheres negras ativistas que você precisa conhecer

As contribuições das mulheres negras para moldar e mudar o mundo para melhor são muitas vezes minimizadas. Reunimos uma lista com algumas das mulheres negras ativistas para as quais devemos ser gratos:

Ella Baker

ativista1
(Foto: Reprodução/As Mina na História)

Ella Baker começou seu envolvimento com a NAACP em 1940. Ela trabalhou como secretária de campo e, em seguida, atuou como diretora de 1943 até 1946.

Em 1957, Baker se mudou para Atlanta para ajudar a organizar nova organização de Martin Luther King, a Southern Christian Leadership Conference (SCLC). Ela também fez uma campanha de registro de eleitores chamados  “A Cruzada para a Cidadania”.

Em 1 de Fevereiro de 1960, um grupo de estudantes universitários negros de North Carolina A & T University foram impedidos de almoçar em um restaurante no  Greensboro, Carolina do Norte.

Baker deixou o SCLC após esse acontecido. Ela queria ajudar os novos estudantes porque eram jovens e ativistas. Baker organizou uma reunião na Universidade Shaw para os líderes estudantis em abril de 1960. A partir dessa reunião, o Comité de Coordenação Student Nonviolent – SNCC – nasceu.

Josephine Baker

ativista2
(Foto: Reprodução/As Mina na História)

Josephine Baker só não foi uma artista que ganhou fama nos palcos de Paris porque o racismo a segurava nos EUA, mas ela visitou os estados nos anos 50 e 60 para ajudar a combater a segregação. Ela chegou a adotar crianças de diferentes etnias e religiões para criar uma família multicultural que chamava de “The Rainbow Tribe.”

Daisey Bates

ativista3
(Foto: Reprodução/As Mina na História)

Daisy Bates nasceu em 11 de novembro de 1914, em Huttig, Arkansas. Ela se casou com o jornalista Christopher Bates, que escrevia para um jornal Africano-Americano semanal, o Arkansas State Press. Bates tornou-se presidente do capítulo de Arkansas da NAACP e desempenhou um papel crucial na luta contra a segregação. Em 1952, ajudou na desagregação das escolas em Little Rock. Ela documentou em seu livro ”The Shadow longo de Little Rock: A Memoir”. Faleceu em 1999.

 

Mary McLeod Bethune

ativista4
(Foto: Reprodução/As Mina na História)

Mary McLeod Bethune foi ativista pela justiça racial e sempre procurou melhorar as oportunidades educacionais para os afro-americanos. Ela é mais conhecida por iniciar uma escola para estudantes afro-americanos em Daytona Beach, Flórida, que eventualmente se tornou Bethune-Cookman University. Ela também foi presidente da NACW – Associação Nacional de Mulheres Coloridas e fundadora do Conselho Nacional das Mulheres Negras.

Beverly Bond

ativista5
(Foto: Reprodução/As Mina na História)

Há sete anos a ex-modelo e DJ criou a organização sem fins lucrativos “Black Rock Girls”. Seu objetivo era construir a auto-estima de jovens mulheres negras, oferecendo orientação e enriquecimento através de programas culturais. A organização juntou-se com a Black Entertainment Television e juntos criaram um show que atraiu mais de 2,5 milhões de espectadores.

Elaine Brown

ativista6
(Foto: Reprodução/As Mina na História)

Em abril de 1968, após o assassinato de Martin Luther King Junior, Elaine Brown assistiu a sua primeira reunião do comitê de Los Angeles do Partido dos Panteras Negras. Brown assumiu o poder de Huey Newton, fundador e ministro da Defesa, em 1974. Brown manteve o controle até 1977, quando Newton retornou de seu exílio em Cuba.

A liderança de Brown foi recebida com hostilidade pelos membros rank-and-file, predominantemente do sexo masculino, mas Brown continuou a desenvolver e expandir os serviços para a comunidade, tais como o programa almoço livre, clínicas médicas gratuitas, e o Centro de Aprendizagem Oakland, que foi reconhecida pela cidade de Oakland por sua excelência acadêmica.

 

Majora Carter

ativista7
(Foto: Reprodução/As Mina na História)

Carter recebeu uma “concessão gênio” MacArthur para a criação de capacitação para o trabalho de desenvolvimento verde e colocação em áreas urbanas. Ela também tinha a visão para ver o rio Bronx, perto de Hunts Point, em Nova York, como um recurso para revitalizar sua comunidade e criar empregos verdes. Seu trabalho foi fundamental para a abertura de Hunts Point Riverside Park em 2007, a primeira área de parque beira-mar em 60 anos. Hoje, ela dirige uma empresa de consultoria de mesmo nome focada em trabalhos de revitalização urbana e de desenvolvimento verde.

Shirley Chisholm

ativista8
(Foto: Reprodução/As Mina na História)

Shirley Chisholm foi a primeira mulher negra a ser eleita para o Congresso, ganhando em New York em 1968 e se aposentando do cargo em 1983. Ela fez campanha para a nomeação presidencial democrata em 1972, mas é mais conhecida por seu trabalho em várias comissões do Congresso longo de sua carreira.

Septima Clark

ativista9
(Foto: Reprodução/As Mina na História)

Pioneira na educação para a cidadania das bases, Septima Clark foi chamada de ”mãe do movimento”, uma professora da comunidade, que lutava pelos direitos humanos e por seu povo iletrados. Por mais de 30 anos, ela ensinou ao longo de Carolina do Sul. Participou de um processo liderado pela Associação Nacional para o Avanço das Pessoas de Cor (NAACP), que levou a igualdade de remuneração para professores negros e branco na Carolina do Sul. Em 1956, Carolina do Sul aprovou uma lei que proibia funcionários municipais e estaduais de pertencer a organizações de direitos civis. Depois de 40 anos de ensino, o contrato de trabalho de Clark não foi renovado quando ela se recusou a demitir-se da NAACP.

Anna Julia Cooper

ativista10
(Foto: ReproduçãoAs Mina na História)

Nascida em 1858 na Carolina do Norte, sua mãe era escrava, Hannah Stanley Haywood.  Anna Julia Cooper passou muito tempo de vida questionando as limitações e oportunidades para as mulheres negras em uma sociedade criada para a sua falta de poder e subjugação. Uma ilustre estudiosa e educadora, Cooper viu o estado e agência de mulheres negras como ponto central para a igualdade e progresso da nação. Ela escreveu em seu livro “A Voz do Sul”: “Somente uma mulher negra pode dizer quando e onde eu posso entrar, na calma e na dignidade, indiscutível da minha feminilidade, sem violência ou patrocínio especial, e então aí o todo raça negra entra comigo.” Ela lutou incansavelmente durante toda a sua vida para reacender e elevar a voz das mulheres negras na busca de uma sociedade mais justa para todos.

Angela Davis

ativista11
(Foto: Reprodução//As Mina na História)

Angela Davis, nascida em 26 de janeiro de 1944, em Birmingham, Alabama, tornou-se uma professora que estudou na Sorbonne. Ela ingressou no Partido Comunista dos EUA e foi presa. Conhecida por livros como “Mulheres, raça & Classe”, ela tem trabalhado como professora e ativista, defendendo a igualdade de gênero, a reforma prisional e alianças através das linhas de cor.

Marian Wright Edelman

ativista12
(Foto: Reprodução/As Mina na História)

Foi a primeira mulher africana a trabalhar em um bar no Mississippi. Ela é uma graduada da Spelman College e Escola de Direito de Yale. Dirigiu o escritório NAACP Legal Defense Fund e Educacional em Jackson, Mississippi. Edelman tem escrito numerosas obras sobre a desigualdade racial, e fundou o Fundo de Defesa das Crianças, no qual ela tem sido uma defensora dos americanos desfavorecidos.

Amy Ashwood Garvey

ativista14
(Foto: Reprodução/As Mina na História)

Amy Ashwood, feminista, dramaturga, palestrante e pan-africanista, foi uma das fundadores da Universal Negro Improvement Association na Jamaica. Ashwood nasceu em Port Antonio, Jamaica, e passou vários anos de sua infância no Panamá. Ela voltou à Jamaica para participar da escola e conheceu Marcus Garvey em um programa da de debate, em julho de 1914, quando ela tinha dezessete anos. Ashwood se tornou a primeiro secretária do conselho de administração da recém-formada U.N.I.A. em 1914 – 1915. Ela trabalhou com Garvey na organização da reunião inaugural em Collegiate Hall, em Kingston. Ela também ajudou a estabelecer e auxiliar o Movimento das Senhoras e foi envolvida em planos iniciais para a construção de uma escola industrial.

Fannie Lou Hamer

ativista15
(Foto: Reprodução/As Mina na História)

Fannie Lou Hamer ajudou os negros a conseguirem o direito de votar no Mississipi. Ela foi fundamental na organização de Mississippi  para o Comitê de Student Nonviolent Coordinating (SNCC), e mais tarde tornou-se a Vice-Presidente do Partido Democrata Liberdade Mississippi, atendendo a Convenção Nacional Democrática 1964, em Atlantic City. Sua maneira de falar e sua crença fervorosa na justiça bíblica ganhou a sua reputação como um alto-falante eletrizante e ativista constante dos direitos civis.

Dorothy Height

ativista16
(Foto: Reprodução/As Mina na História)

Uma jovem líder do Movimento Nacional da Juventude da era do New Deal e uma assistente social YWCA no Harlem, em 1937, Dorothy Height chamou a atenção de Mary McLeod Bethune que a encorajou a participar do Conselho Nacional de Esforço das Mulheres Negras , buscando a igualdade de direitos e de educação para as mulheres. Ela se juntou à equipe nacional do YWCA em 1944 e permaneceu ativo lá até 1977; sua filiação oficial com NCNW continuou até a década de 1990, inclusive como presidente em 1957.

Para unificar as escolas na década de 1950, falou ao lado de Martin Luther King, Jr. Na década de 1960, organizava encontros de mulheres integradas com as escolas públicas, conhecidas como “quartas-feiras em Mississippi.” Seu trabalho humanitário continuou nas décadas seguintes, a nível internacional, bem como, aconselhando e viajando com os programas patrocinados pelo Conselho para a Conferência da Casa Branca, a UNESCO, o Instituto de Relações Humanas da American Jewish Committee, USAID, e da Agência de Informações dos Estados Unidos, entre outros.

 

Claudia Jones

ativista17
(Foto: Reprodução/As Mina na História)

Claudia Jones, feminista, ativista política, comunista e jornalista, tem sido descrita como a mãe do carnaval de Notting Hill. A diversidade de suas afiliações políticas ilustrou a sua abordagem multifacetada para a luta pela igualdade de direitos no século 20.

Morou em Nova York por mais de 30 anos e durante este tempo tornou-se membro ativo do Partido Comunista Americano. Em 1948, ela se tornou a editora de ”Assuntos Negros” para o papel do partido do Daily Worker.

Em 1955, ela foi deportada dos EUA e recebeu asilo na Inglaterra, onde ela passou seus anos restantes a trabalhar com a comunidade Africano-Caribe, em Londres. Ela fundou e editou The West Indian Gazette que apesar de problemas financeiros permaneceu crucial na sua luta pela igualdade de oportunidades para negros.

Ela presidiu a Comissão Nacional da Mulher do CPUSA, era líder no Conselho Nacional de Paz e foi editora dos “Negócios Negro”, uma revista da Comissão Nacional Negra.

Flo Kennedy

ativista18
(Foto: Reprodução/As Mina na História)

Flo Kennedy foi unica mulher admitida na Columbia Law School, na primeira metade do século 20. Flo tornou-se defensora dos direitos das mulheres e é conhecida por seu senso de humor ousado. Ela foi uma das fundadoras da Organização Nacional de Mulheres, mas logo deixou por causa de divergências na organização. Pouco depois Flo fundou o Partido Feminista que passou a nomear Shirley Chisholm para o presidente em 1972. Ela viajou pelo país falando sobre questões feministas até sua morte, em 2000.

Pauli Murray

ativista19
(Foto: Reprodução/As Mina na História)

Em 1938, ela começou uma campanha para entrar na Universidade da Carolina do Norte, que na época só aceitava brancos, com o apoio da Associação Nacional para o Avanço das Pessoas de Cor (NAACP). Em 1941, Murray se matriculou na faculdade de Direito da Universidade Howard, com a intenção de se tornar uma advogada de direitos civis. No ano seguinte, juntou-se com George Houser, James Farmer e Bayard Rustin, para formar o Congresso da Igualdade Racial (CORE).

Depois que Murray se formou na Universidade de Howard, em 1944, ela queria se matricular na Universidade de Harvard para continuar seus estudos de Direito. Em seu pedido, ela listou Harvard como sua primeira escolha. Ela foi premiada com a prestigiosa bolsa, mas Harvard Law School a rejeitou porque era mulher. Murray foi para a Universidade da Califórnia Boalt School of Law, onde recebeu uma licenciatura em Direito.

Em 1956, Murray publicou o livro “A história de uma família americana”, biografia de seus avós, que falava sobre a sua luta com o preconceito racial e retratava sua cidade natal, Durham. Em 1960, Murray viajou a Gana para explorar suas raízes culturais africanas. Quando ela voltou, o presidente John F. Kennedy nomeou-a para sua Comissão dos Direitos Civis e Políticos. No início de 1960, Murray trabalhou em conjunto com Philip Randolph, Bayard Rustin e Martin Luther King.

Pauli Murray morreu de câncer em Pittsburgh, em 01 de julho de 1985.

Diane Nash

ativista20
(Foto: Reprodução/As Mina na História)

Nascida em 1938, em Chicago. Nash deixou Chicago para estudar na Universidade Howard, em Washington, DC, mas foi transferida um ano depois para a Universidade de Fisk, em Nashville, Tennessee, onde formou-se em Inglês.

Durante a primavera de 1961, Nash teve um papel crucial na manutenção de “Freedom Rides” [passeios de liberdade] iniciadas pelo Congresso da Igualdade Racial (CORE). A partir de sua base em Nashville, ela coordenou os esforços dos estudantes para continuar os passeios em Mississippi e serviu como uma ligação entre a imprensa e o Departamento de Justiça dos Estados Unidos.

Depois de seu papel de liderança no “Freedom Rides”, Nash tornou-se chefe de campanhas de ação direta de SNCC durante o verão de 1961.

Rosa Parks

ativista21
(Foto: Reprodução/As Mina na História)

A recusa de Rosa Parks a ceder seu assento em um ônibus de Montgomery, levou a um boicote organizado ao fim da segregação nos ônibus. Ela acendeu o fósforo para o Movimento Montgomery, Rosa passou anos trabalhando com a NAACP. Ela foi uma investigadora do estupro brutal de Recy Taylor. Rosa era muito mais radical do que ela tem sido historicamente retratada. Ela foi uma grande ativista da luta pelos direitos civis nos Estados Unidos.

Jo Ann Robinson

ativista22
(Foto: Reprodução/As Mina na História)

Em Montgomery Alabama, Robinson era ativa na Igreja Batista da Avenida Dexter e no Conselho Político de Mulheres (WPC). Em 1949, Robinson sofreu uma experiência humilhante em um ônibus público, quando o motorista mandou ela descer por ter sentado na quinta fileira, que época era reservada para pessoas brancas. Quando ela se tornou presidente do WPC em 1950, Robinson fez ônibus segregados da cidade ser uma das principais prioridades da organização. O WPC fez repetidas queixas sobre práticas e as condutas dos motoristas à Comissão Cidade Montgomery. Depois da prisão de Rosa Parks, em Dezembro de 1955, Robinson aproveitou a oportunidade para colocar o protesto em movimento. Mais tarde, naquela noite, junto com mais dois estudantes e John Cannon, presidente do Departamento de Negócios no estado do Alabama, distribuiu cerca de 52.500 folhetos pedindo o boicote dos ônibus.

Josephine St. Pierre Ruffin

ativista23
(Foto: Reprodução/As Mina na História)

Ruffin nasceu no dia 31 de agosto de 1842, em uma das famílias negras líderes de Boston. Em 1858, com a idade de 15 anos, tornou-se a esposa de George Lewis Ruffin, o primeiro Americano Africano a conseguir uma pós-graduação pela Harvard Law School. Durante a Guerra Civil, Ruffin estava envolvido em várias causas de direitos civis, obras de caridade e movimentos pelo sufrágio feminino. Em 1879, ela estabeleceu a Associação Kansas Relief Boston, uma organização de caridade que forneceu alimentos e roupas para negros que estavam migrando para o Kansas.

De 1890 a 1897, Ruffin serviu como o editora da Era da Mulher, o primeiro jornal publicado por e para mulheres afro-americanas. Em 1894, ela organizou o ”Women’s Era Club”, um grupo com aulas de defesa pessoal para as mulheres negras, com a ajuda de sua filha Florida Ridely e Maria Baldwin, diretora da escola Boston.

Ruffin morreu no dia 13 de março de 1924.

Maria Stewart

ativista24
(Foto: Reprodução/As Mina na História)

Nascida livre em Boston, Maria Stewart ficou órfã aos cinco anos de idade. Quando jovem, Maria conheceu David Walker, autor de “AN APPEAL TO THE COLORED PEOPLE OF THE WORLD” [um apelo aos povos coloridos do mundo], um tratado polêmico e muito lido contra a escravidão. Após a morte de Walker em 1830, ela escreveu artigos para o Libertador, um jornal abolicionista, publicando folhetos anti-escravidão, e se tornou a primeira mulher americana a falar em público.

Maria, que foi em grande parte autodidata, ressaltou a importância da moralidade e auto-aperfeiçoamento de suas audiências. Além de religião, ela insistiu que os negros prosseguissem no ensino. Quando o “conhecimento começasse a fluir”, escreveu ela, “as correntes da escravidão e da ignorância iria derreter como cera diante chamas.” Maria tornou-se professora de escolas públicas em Nova York e foi a fundadora das escolas em Baltimore e DC. Sua dedicação à luta contra a opressão negra através do ensino, escrever e falar era implacável.

Mary Church Terrell

ativista26
(Foto: Reprodução/As Mina na História)

Em 1884, recebeu seu bacharelado em Oberlin College, em Ohio. Foi uma das primeiras mulheres afro-americanas a ter um diploma universitário. Ela passou a ensinar em uma escola secundária em Washington e depois em Wilberforce College, Ohio. Terrell decidiu deixar os Estados Unidos e foi estudar na Europa por dois anos. Ela tornou-se fluente em francês, alemão e italiano.
Terrell foi nomeada para o Distrito de Columbia Board of Education, em 1895. Ela foi a primeira mulher negra nos Estados Unidos a ter tal posição de honra. Ela era um membro fundador da Associação Nacional de Mulheres Coloridas e tornou-se a primeira presidente da organização, em 1897. Mary Church Terrell se tornou conhecida por sua resistência e seu suporte ao sufrágio feminino.

Sojourner Truth

ativista27
(Foto: Reprodução/As Mina na História)

Ex-escrava, abolicionista e defensora dos direitos das mulheres, Sojourner Truth, nascida Isabella, passou os últimos vinte e seis anos de sua vida em Michigan. Foi comprada e vendido quatro vezes e passou os primeiros vinte e nove anos de sua vida como uma escrava em Nova York, realizando um exigente trabalho físico.

Em 1843, ela teve um avanço espiritual e declarou que o Espírito a escolheu para a pregar a verdade, lhe dando um novo nome: Sojourner Truth. Embora ela nunca tenha aprendido a ler ou escrever, com a ajuda de um amigo, ela publicou sua vida e crenças em 1850, na ”Narrativa de Sojourner Truth”, que obteve reconhecimento nacional.

Em 1851, a Truth foi em uma turnê de palestras. Ela deu o seu mais famoso discurso, “Não sou mulher?” Na conferência de Direitos Da Mulher, em Akron, Ohio, em 1851, onde todos os outros oradores eram homens.

Quando a guerra civil começou, Truth viajou por vários estados em apoio da União e incentivou muitos jovens a aderir à causa da União. Quando a guerra terminou, ela se reuniu com Abraham Lincoln para agradecê-lo por ajudar a acabar com a escravidão. Em DC, ela ajudou os escravos recém-libertados a estabelecer uma nova vida. Ela também trabalhou na Virgínia por um tempo, ajudando escravos libertos encontrar emprego. Ela aconselhou-os a usar sua liberdade de forma responsável. Faleceu no dia 26 de novembro de 1883.

Harriet Tubman

ativista28
(Foto: Reprodução/As Mina na História)

Como uma das figuras mais importantes da história americana, Harriet Tubman foi responsável por resgatar cerca de 300 ex-escravos do Sul e leva-los para a liberdade através das estradas de ferro subterrâneos que davam em Maryland. Em um ponto, uma recompensa de US $ 40.000 estava sendo oferecida para sua prisão. Tubman também foi uma espiã durante a sua vida. Ela morreu em Nova York em 1913.

Ida B. Wells-Barnett

ativista29
(Foto: Reprodução/As Mina na História)

A vida de Ida Bell Wells-Barnett foi dedicada a acabar com as injustiças horríveis contra os afro-americanos. Ela viajou o país falando e escrevendo sobre questões de direitos civis, leis injustas, e crimes contra negros. Ela foi fundamental na luta contra o linchamento, provando que esses atos eram assassinatos de homens inocentes negros, mulheres e crianças, e corajosamente exigiu que seus assassinos brancos fossem responsabilizados por seus crimes. Mais tarde na vida, ela também fundou e foi envolvida na criação de várias organizações que incentivavam a promoção das mulheres e outras minorias.

Maya Wiley

Maya Wiley - Deputy Mayor for Legal Affairs - City Hall, NYC April 29, 2014 042914
Maya Wiley – Deputy Mayor for Legal Affairs – City Hall, NYC
April 29, 2014
042914 (Foto: Reprodução/As Mina na Históri

Depois de anos de trabalho pelos diretos civis e organizações de justiça social, que incluem o Fundo de Defesa Legal e Educação da NAACP, a American Civil Liberties Union e do Instituto Open Society, Wiley começou o Centro de Inclusão Social para abordar as políticas públicas que levaram a disparidades socioeconômicas. A organização, que trabalha para acabar com racismo estrutural e desigualdade, está atualmente a colaborar com agricultores negros na Carolina do Sul para ajudar a construir mercados de agricultores.

 

Artigos Relacionados
-+=